Faxina Mental
4 de janeiro de 2016
Quando me amei de Verdade
14 de janeiro de 2016

Vivendo e Aprendendo Amar

Há uma certeza com a qual devemos conviver sempre: somos seres curiosos de nós mesmos. E principalmente, somos seres curiosos sobre nossas mentes. No processo de evolução do cérebro, principalmente do córtex pré-frontal, adquirimos aptidão para metacognição (pensar sobre o pensar) e para estabelecer conexões mentais criativas a partir de nossas experiências. Porém nem só de experiência se constrói um ser humano: devemos levar em consideração à genética, o acaso e, também, a experiência.

Nesta perspectiva, tanto o autoconhecimento, quanto a empatia, além do autocontrole e das habilidades sociais, tornam-se essenciais ao sucesso, por exemplo, profissional, e à harmonia emocional. A essa conexão, em franca expansão interna, chamamos de neuroplasticidade: toda conexão causa novas rotinas cerebrais e estabelece continuidade às necessidades adaptativas.

Em desenvolvimento interno (endógeno) e externo (exógeno), os seres humanos vivem em resposta a formatação tridimensional referida: genética, acaso e experiência. Só que, ao observamos os procedimentos dos seres humanos em sociedade, em suas interações e integrações cotidianas, percebemos que há diferenças, alias muitas diferenças, então nova formatação tridimensional deve ser levada em consideração: emoção, memória e linguagem.

A questão é sempre: como VIVER e CONVIVER apesar das perdas, traumas ou decepções? Nesses dias tenho pensando nisso. E uma resposta sempre básica é: SUPERE. Mas como? As gravidades das situações investem nos circuitos neurais, às vezes, de forma tão intensa e com tal volume, que a perda dos padrões de pensamentos e sensações é enorme. Interessante é que sempre o conjunto de experiências que formam a memória humana (conjunto hipotalâmico) ou talvez o imaginário, não dá conta de todo o processo e, arrebatado, inaugura inconscientemente, nova pessoa (personalidade): é o cérebro se defendendo se remodelando.

O cérebro e o corpo refletem defesas e, a reboque, por exemplo, eliminam os outros do arco de visão para poderem (os seres humanos atingidos), de alguma maneira, se reorganizarem e sobreviverem. Em nosso processo de conquista de ‘um lugar ao sol’ em sociedade, então, precisamos ficar cientes de que nossas mentes são flexíveis, agentes receptoras e autônomas, diante das tantas informações (estímulos) a que temos acesso e que integram nosso corpo mental, e por isso sempre estamos em exigência amigdalítica (sistema límbico), ou seja, emocional.

Somos bons e maus. Somos tímidos e extrovertidos. Somos cruéis e felizes. Somos ‘tudo ao mesmo tempo agora’. Mas não devemos aceitar, por tempos demais, os ‘pilotos automáticos’ dos comportamentos fixos (respostas habituais)’ como os hábitos, as certezas, o comum, o ‘todo mundo’, o ‘qualquer um’, os circuitos neurais cujos procedimentos acontecem dia a dia sem máculas ou diferenças. Diante do inusitado, como o cérebro busca outras formas de continuar vivo, devemos saber nos recompor sem perder mais do que devemos, ou quase tudo que somos.

Segundo Siegel (2012), se quisermos ter uma saúde mental devemos procurar assumir uma visão mental sobre nós mesmos e o outro em termos de posturas, atitudes e emoções. Não devemos brincar com expectativas e imaginários porque incorremos no erro de trilharmos o caminho das reações brutais, da ansiedade desequilibrada, dos impulsos grosseiros ou, mesmo, das tristes ironias verbais.

Muito tempo aceitando e acreditando nisso podem nos tornar prisioneiros de nós mesmos e até nos fazer repetir falas, emoções e posturas em outros ambientes e com outras pessoas, agora, inconscientemente: é a questão da naturalização do pensamento tóxico. Em sendo assim, a visão mental “nos permite ‘nomear e dominar’ as emoções que vivenciamos, em vez de sermos dominados por elas” (Siegel, 2012): essa é uma necessidade que se aprende todos os dias. Mesmo indo ao fundo do poço emocional, os seres humanos precisam abrir mão de si para se adaptar a uma nova situação. Uns podem ser ‘pentiuns’; outros, ‘lentiuns’, nesse processo; mas a transformação é necessária e saudável.

Quando amamos, por exemplo, temos a tendência a reproduzir padrões e querer incluir o outro nesse conjunto padronizado. O imaginário fortalecido por experiências anteriores estabelece focos conhecidos para investir e conquistar, sem abrir mão de nada. Difícil! Muito difícil! No processo de amadurecimento emocional, temos que abrir mão de algo, desapegar e mudar como a borboleta. Cada escolha é como um ‘bisturi’ no cérebro reformulando (e reesculpindo) a circuitaria neural. E o cérebro cresce, ganha convergência e readquire a ‘alegria de viver’. Lógico que a intensidade da paixão pode desencadear desequilíbrio sináptico e atingir a memória (sistema hipotalâmico) de forma excessivamente libertadora; isso rompe com as estruturas mentais e causam distúrbios, às vezes, controlados apenas com ajuda profissional (terapia). Mas não é a regra!

Segundo Siegel (2012), ‘a mudança nunca acontece espontaneamente ou surge automaticamente; é algo que temos que trabalhar com atenção, foco e muita prática. Para amar é preciso aptidão e aptidão adquire-se com ritmo, esforço e repetição (vivências). É importante ter habilidades sociais e socioemocionais aprimoradas o tempo todo. E ainda, as “atividades mentais, como pensamentos, sensações, memórias, crenças, atitudes, esperanças, sonhos e fantasias, preenchem o nosso dia a dia” (Siegel, 2012); mas também é preciso cuidado com o que se deseja imaginariamente: “podemos ser receptivos às riquezas do cérebro e não apenas reativos a seus reflexos” (Siegel, 2012). E o amor sempre transverso, bagunça, confunde.

Quando se apaixonar e perder, dê tempo ao tempo, revisite-se, evite emoções tóxicas, não se aprisione as rotinas comportamentais negativas; promova novas conexões. De acordo com Siegel (2012), uma grande transformação começa quando olhamos a nossa mente com curiosidade e respeito em vez de medo e afastamento, ou seja, leve pensamentos e sentimentos ao nível da consciência, de maneira a permitir que se aprenda com eles, e não que seja guiado por eles.

 

Claudia Nunes, é amiga e colaboradora do Cada Dia. É Mestre em Educação, Especialista em Neurociência Pedagógica e em Tecnologia Educacional.