Uma força chamada Exemplo
31 de julho de 2020
Sexo seguro?
31 de julho de 2020

O médico, o monstro e a world wide web

Existe uma regra de ouro na Internet: qualquer um pode publicar qualquer coisa, bastando para tanto um computador pessoal e acesso à rede. Porém, enquanto que as mídias convencionais (jornais, revistas, programas de rádio ou televisão, etc) deixam um registro físico, o conteúdo da Internet é volátil: ele está aqui hoje e pode simplesmente desaparecer no éter amanhã. O grande problema deixou de ser “encontrar a informação desejada”, e passou a ser como avaliar a credibilidade de um documento obtido via Internet.

Não existe uma legislação específica para as informações disponíveis na rede. A própria dinâmica sem fronteiras da Internet torna a maioria das medidas legais sem sentido ou lentas demais. 

Para identificar o que é informação confiável ou não, eu recomendo que você aplique por conta própria 04 critérios bem simples, que devem ser consultados sempre que você tiver alguma dúvida sobre a veracidade do que está lendo na Internet.

CRITÉRIO 1: AUTORIDADE

A orientação médica do site é dada por um profissional da área ou você está lendo sobre Hipertensão Arterial na visão de um Ufologista da Transilvânia? É possível identificar o autor do texto e checar suas credenciais? 

Sites criados por grandes centros médicos, organizações científicas, universidades e agências governamentais são os mais seguros. Muito cuidado com websites estritamente comerciais ou baseados em testemunhos de pessoas que procuram empurrar um único ponto de vista ou vendem curas milagrosas. 

CRITÉRIO 2: TRANSPARÊNCIA

A informação deve estar publicada de modo claro, oferecendo endereços de contato para quem desejar ajuda adicional. O site também deve ser bastante claro quanto à presença de patrocínio: qualquer apoio financeiro, comercial ou não, deve ser identificado. 

Por exemplo: se você está lendo sobre Constipação Intestinal em um site patrocinado por um fabricante de laxantes, as informações ali contidas certamente tenderão a favorecer o patrocinador – o que nem sempre corresponderá a toda verdade em si. 

CRITÉRIO 3: ATUALIDADE

O conhecimento científico é extremamente dinâmico: calcula-se que metade do que os médicos defendem agora estará errado daqui a 10 anos – e para desespero geral ninguém ainda foi capaz de identificar qual metade é esta. Por isso, procure sempre pela informação mais recente e verifique se o site exibe claramente a data em que determinada informação foi publicada ou revisada.

CRITÉRIO 4: DESCONFIANÇA

Você encontrou algo que lhe diz respeito e o site parece ter autoridade, transparência e atualidade? Ótimo. Desconfie dele mesmo assim. Desconfie muito, desconfie sempre. Visite outros sites e compare informações. Mantenha o espírito aberto, porém crítico em qualquer situação – ou você conhece alguém tenha caído morto, fulminado após tomar uma pequena dose de prudência? 

Nem eu.

Boa parte do caminho de descobrir o que se quer é saber exatamente o que se procura.  A Internet pode ser uma grande fonte de informação em saúde, mas não é a única: ela deve representar apenas mais um item em seu cardápio de escolhas. 

Alessandro Loiola – Médico, escritor e palestrante, autor dos livros “Vida e Saúde da Criança” e “Crianças em forma: saúde na balança” – Amigo e colaborador do Cada Dia

.

.

Imagem de Steve Buissinne por Pixabay