Cuidados importantes para seu pet
2 de dezembro de 2015
Sou
2 de dezembro de 2015

Chocolate e cães

Você já ouviu falar que o chocolate mata cachorros. Isso faz sentido? Se eu posso comer chocolate, por que meu cachorro não pode? Quem é dono de um bicho de estimação provavelmente já ouviu que chocolate pode matar cães e gatos. E é verdade, pode mesmo.

Diversos alimentos que fazem parte da alimentação dos seres humanos não devem fazer parte da dieta dos cães, dentre eles estão o café, a cebola, o alho e o chocolate, sendo este último o responsável pela maior parte das intoxicações alimentares em cães.

Compondo o chocolate estão carboidratos, aminas biogênicas, neuropeptídeos e metilxantinas (cafeína e a teobromina), com o problema residindo exatamente nessas últimas. A substância chamada Teobromina (encontrada no cacau), que são rapidamente absorvidas após ingestão oral e são estimulantes poderosos do sistema nervoso central e do coração. A Teobromina provoca um intenso aumento no trabalho muscular cardíaco associado à uma grande estimulação do cérebro, ocasionando arritmias cardíacas graves em cães.

A teobromina, que é encontrada no chocolate em quantidade bem superior a cafeína, é a mais perigosa para os cães, sendo que a quantidade dessa substância aumenta de acordo com o teor lipídico do chocolate, sendo maior em chocolates amargos. Contudo, a cafeína, embora seja encontrada de 3 a 4 vezes em menor quantidade no chocolate do que teobromina, também contribui para o quadro de intoxicação.

O fato é que envenenamento por chocolate não é tão incomum quanto parece. Para um ser humano, a cafeína é tóxica em níveis de 150 miligramas por quilograma de peso corporal. O mesmo vale para cachorros!

As metilxantinas são altamente lipossolúveis, atravessando com facilidade as barreiras hemotoencefálica e placentária, sendo absorvida rapidamente pelo trato gastrointestinal. Após cair na corrente sanguínea, estas substâncias alcançam diversas partes do organismo e, quando no sistema nervoso central, competem com a adenosina, que é um inibidor pré-sináptico neuromodulador, ocasionando então excitação.

As manifestações clínicas podem surgir concomitantemente ou de forma isolada, tipicamente dentro de 6 a 12 horas após a ingestão de chocolate, podendo persistir por até 3 dias, e inclui diarreia, vômito, polidipsia, poliúria, excitação, tremores, taquicardia ou bradicardia, febre, respiração acelerada, convulsão e coma. Em alguns casos, também pode ocorrer hemorragia intestinal, dentro de 12 a 24 horas após a ingestão de chocolate.

O tratamento é difícil, objetivando a estabilização das funções vitais do organismo de acordo com a sintomatologia que está ocorrendo.

Bom, como os casos de ingestão de chocolate podem ocasionar fins drásticos, o melhor é evitar que seu cão coma chocolate. E essa dica não está restrita apenas à época da Páscoa, mas à todos os dias do ano.

 Pesquisa:
http://casa.hsw.uol.com.br/questao348.htm
http://www.infoescola.com/medicina-veterinaria/intoxicacao-por-chocolate-em-caes/
http://casa.hsw.uol.com.br/questao348.htm
http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL1080049-5598,00.html